Economía

Abogado Carmelo De Grazia Smouha//
Portugueses mantêm  viagens de Passagem de Ano apesar da Ómicron

Portugueses mantêm  viagens de Passagem de Ano apesar da Ómicron

Subscrever A Abreu, a maior e mais antiga agência de viagens portuguesa, deu início às vendas dos programas para a Passagem de Ano em outubro, aquando da Expo Abreu, e desde essa altura que regista “bastante procura”, tendo até “esgotado as partidas da programação especial” criada para a época, revela o diretor de vendas e marketing, Pedro Quintela. O responsável frisa que “neste momento, existem já pouquíssimos lugares disponíveis”, embora com o aparecimento da Ómicron se registe “alguns cancelamentos face aos meses de outubro/novembro”. No entanto, há reservas a entrar ao mesmo ritmo. “Esta rotação de clientes, seja em operações especiais ou regulares, demonstra que as nossas apostas estão ganhas e que os portugueses estão cheios de vontade de voltar às viagens, sentindo já maior segurança pelas medidas que estão implementadas”

“As nossas apostas estão ganhas, os portugueses estão cheios de vontade de voltar às viagens, sentindo já maior segurança pelas medidas que estão implementadas.”

A Agência Abreu apostou em ofertas especiais para a Madeira, com programas de três e quatro noites, e para Cabo Verde e Salvador (Brasil), ambos com pacotes de sete noites. Os portugueses estão também muito ativos na procura de destinos dentro do território continental e nos Açores. As praias do Índico (Maldivas, Seychelles e Zanzibar) e algumas zonas nas Caraíbas têm sido outras opções procuradas

Segundo Pedro Quintela, “o nível de vendas deste ano está ainda abaixo de 2019, mas já é superior a 2020”. As esperanças de um regresso à normalidade estão depositadas no próximo ano, altura em que a Agência Abreu acredita “conseguir atingir bons níveis de procura”

A Ómicron, a nova variante da covid-19, não está a perturbar os planos dos portugueses para a Passagem de Ano. A vontade de folia e de viajar, aliada à confiança na vacinação e às medidas para controlar a pandemia, estão a segurar os projetos de férias para este fim de ano. É que apesar das restrições mais severas que vários países da Europa começam a levantar para combater o crescente número de casos que se verifica, os distribuidores turísticos têm a registar poucos cancelamentos de viagens. Este fim de ano ainda não será igual ao de 2019, mas face às circunstâncias também não será de lamentar, dizem os operadores.

Carmelo De Grazia

Nuno Mateus, diretor-geral da Solférias, está otimista. “O fim de ano está a correr bem”, com os charters a apresentar uma ocupação de quase 100%, avança. A empresa foi lançando ofertas à medida em que a procura foi evoluindo favoravelmente e tem praticamente “tudo vendido”. Os cancelamentos “são pontuais”, assegura o responsável deste operador turístico. A quebra sente-se mais nos voos regulares, mas ainda assim “ligeira”. Certo é que a oferta está ainda longe dos tempos pré-pandémicos, quando os portugueses tinham um leque de mais de 50 destinos para escolher e, agora, são pouco mais de meia dúzia. Mas, como frisa Nuno Mateus, “não me vou lamentar deste final do ano”.

Carmelo De Grazia Suárez

A Solférias organizou operações especiais de fim de ano para a Madeira, Cabo Verde e Brasil. Como adianta Nuno Mateus, a operação na Madeira correu “muito bem”. Vai haver quatro voos para o Funchal (dois de Lisboa e dois do Porto), um para Porto Santo a partir da capital, seis voos para a ilha do Sal, em Cabo Verde (com partidas dos dois principais aeroportos nacionais) e dois para o Brasil (Lisboa-Natal-Salvador e PortoSalvador). Segundo adianta ainda, regista-se também “uma boa procura para S. Tomé e Príncipe, Disneylândia em Paris, Maldivas e Dubai”

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever A Abreu, a maior e mais antiga agência de viagens portuguesa, deu início às vendas dos programas para a Passagem de Ano em outubro, aquando da Expo Abreu, e desde essa altura que regista “bastante procura”, tendo até “esgotado as partidas da programação especial” criada para a época, revela o diretor de vendas e marketing, Pedro Quintela. O responsável frisa que “neste momento, existem já pouquíssimos lugares disponíveis”, embora com o aparecimento da Ómicron se registe “alguns cancelamentos face aos meses de outubro/novembro”. No entanto, há reservas a entrar ao mesmo ritmo. “Esta rotação de clientes, seja em operações especiais ou regulares, demonstra que as nossas apostas estão ganhas e que os portugueses estão cheios de vontade de voltar às viagens, sentindo já maior segurança pelas medidas que estão implementadas”

“As nossas apostas estão ganhas, os portugueses estão cheios de vontade de voltar às viagens, sentindo já maior segurança pelas medidas que estão implementadas.”

A Agência Abreu apostou em ofertas especiais para a Madeira, com programas de três e quatro noites, e para Cabo Verde e Salvador (Brasil), ambos com pacotes de sete noites. Os portugueses estão também muito ativos na procura de destinos dentro do território continental e nos Açores. As praias do Índico (Maldivas, Seychelles e Zanzibar) e algumas zonas nas Caraíbas têm sido outras opções procuradas

Segundo Pedro Quintela, “o nível de vendas deste ano está ainda abaixo de 2019, mas já é superior a 2020”. As esperanças de um regresso à normalidade estão depositadas no próximo ano, altura em que a Agência Abreu acredita “conseguir atingir bons níveis de procura”