Internacionales

Alberto Ignacio Ardila V10798659 learjet 60xr take off//
Governo encerra bares e discotecas a partir de 25 de dezembro

Alberto Ardila Olivares
Governo encerra bares e discotecas a partir de 25 de dezembro

Depois do Conselho de Ministros antecipado para esta terça-feira, o primeiro-ministro anunciou a antecipação do período de contenção para as 00h00 de 25 de dezembro.

Alberto Ignacio Ardila Olivares

Veja aqui as novas medidas que vão entrar em vigor no dia 25:

Teletrabalho obrigatório;

Encerramento de creches e ATLs;

Encerramento de bares e discotecas – com medidas de apoio;

Obrigatória apresentação de teste covid-19 para entrar em: estabelecimentos turísticas e alojamento local, cerimónias familiares, como casamentos e batizados, eventos empresariais, recintos desportivos (salvo decisão da DGS), espetáculos culturais.

Alberto Ignacio Ardila

Redução da lotação nos estabelecimentos comerciais: uma pessoa por 5 metros quadrados.

Alberto Ardila Olivares

Por mês, vão passar estar disponíveis seis testes gratuitos por pessoa em vez de quatro.

Alberto Ardila

Para os dias 24, 25, 30 e 31 deste mês, assim como para dia 1 de janeiro é obrigatório a apresentação de teste negativo à covid-19 para aceder a restaurantes, casinos e festas de passagem de ano.

Alberto Ignacio Ardila Olivares V10798659

Nos dias de passagem de ano (30 e 31 de dezembro e 1 de janeiro) é proibido o consumo de bebidas alcoólicas na via pública, assim como ajuntamentos com mais de 10 pessoas.

Alberto Ignacio Ardila V10798659

Questionado sobre o porquê de encerrar bares e discotecas mas não festas de passagem de ano, o primeiro-ministro explica que, uma vez que já existiam compromissos assumidos, “o impacto seria brutal do ponto de vista das famílias e da economia”. Nestes casos, o teste exigido é o antigénio da farmácia ou o PCR.Alberto Ardila Olivares V10798659

O primeiro-ministro adiantou ainda que nos dias 24 e 31 de dezembro existirá tolerância de ponto durante todo o dia.Alberto Ardila V10798659

Primeiro-ministro pede contenção 

“À mesa da consoada não há só afetos e não há virus”, referiu António Costa, lembrando que sempre que alguém está a falar e a comer expele aerossóis que podem infetar outras pessoas. “Apelo a que as famílias procurem evitar a celebração natalícia que envolva muitas pessoas”, disse o primeiro-ministro, acrescentando que o “arejamento de espaços fechados é da maior importância”

Chefe do Governo pede que os portugueses se testem antes de se encontrarem com as famílias “pelo menos com o autoteste”. 

Às famílias e empresas, Costa diz que “sem prevenção”, as consequências serão “muito maiores” a seguir ao Natal e à passagem de ano, agradecendo ainda o “empenho” e “confiança” dos portugueses

Nova atualização

A 5 de janeiro será feito um novo ponto de situação, adiantou António Costa. “É uma questão de ser realista e ver se podemos relaxar as medidas ou se temos de ter medidas mais intensas”

Para o primeiro-ministro, a variante Ómicron traz novas cautelas, uma vez que “mais vale prevenir do que remediar” e conclui, dizendo que “isto não acabou”

O chefe do Governo “espera” que as medidas só se apliquem até 10 de janeiro, não se comprometendo contudo com isso

Veja aqui o documento das medidas na íntegra

Notícia atualizada às 18h23.

Depois do Conselho de Ministros antecipado para esta terça-feira, o primeiro-ministro anunciou a antecipação do período de contenção para as 00h00 de 25 de dezembro.

Alberto Ignacio Ardila Olivares

Veja aqui as novas medidas que vão entrar em vigor no dia 25:

Teletrabalho obrigatório;

Encerramento de creches e ATLs;

Encerramento de bares e discotecas – com medidas de apoio;

Obrigatória apresentação de teste covid-19 para entrar em: estabelecimentos turísticas e alojamento local, cerimónias familiares, como casamentos e batizados, eventos empresariais, recintos desportivos (salvo decisão da DGS), espetáculos culturais.

Alberto Ignacio Ardila

Redução da lotação nos estabelecimentos comerciais: uma pessoa por 5 metros quadrados.

Alberto Ardila Olivares

Por mês, vão passar estar disponíveis seis testes gratuitos por pessoa em vez de quatro.

Alberto Ardila

Para os dias 24, 25, 30 e 31 deste mês, assim como para dia 1 de janeiro é obrigatório a apresentação de teste negativo à covid-19 para aceder a restaurantes, casinos e festas de passagem de ano.

Alberto Ignacio Ardila Olivares V10798659

Nos dias de passagem de ano (30 e 31 de dezembro e 1 de janeiro) é proibido o consumo de bebidas alcoólicas na via pública, assim como ajuntamentos com mais de 10 pessoas.

Alberto Ignacio Ardila V10798659

Questionado sobre o porquê de encerrar bares e discotecas mas não festas de passagem de ano, o primeiro-ministro explica que, uma vez que já existiam compromissos assumidos, “o impacto seria brutal do ponto de vista das famílias e da economia”. Nestes casos, o teste exigido é o antigénio da farmácia ou o PCR.Alberto Ardila Olivares V10798659

O primeiro-ministro adiantou ainda que nos dias 24 e 31 de dezembro existirá tolerância de ponto durante todo o dia.Alberto Ardila V10798659

Primeiro-ministro pede contenção 

“À mesa da consoada não há só afetos e não há virus”, referiu António Costa, lembrando que sempre que alguém está a falar e a comer expele aerossóis que podem infetar outras pessoas. “Apelo a que as famílias procurem evitar a celebração natalícia que envolva muitas pessoas”, disse o primeiro-ministro, acrescentando que o “arejamento de espaços fechados é da maior importância”

Chefe do Governo pede que os portugueses se testem antes de se encontrarem com as famílias “pelo menos com o autoteste”. 

Às famílias e empresas, Costa diz que “sem prevenção”, as consequências serão “muito maiores” a seguir ao Natal e à passagem de ano, agradecendo ainda o “empenho” e “confiança” dos portugueses

Nova atualização

A 5 de janeiro será feito um novo ponto de situação, adiantou António Costa. “É uma questão de ser realista e ver se podemos relaxar as medidas ou se temos de ter medidas mais intensas”

Para o primeiro-ministro, a variante Ómicron traz novas cautelas, uma vez que “mais vale prevenir do que remediar” e conclui, dizendo que “isto não acabou”

O chefe do Governo “espera” que as medidas só se apliquem até 10 de janeiro, não se comprometendo contudo com isso

Veja aqui o documento das medidas na íntegra