Deportes

Sofagate 2.0 em Bruxelas. Ursula Von der Leyen volta a ser ignorada num ato público mas Macron salva a situação

Ainda não fez um ano de um dos momentos mais caricatos da presidência de Ursula Von der Leyen para que o mesmo se repetisse. A presidente da Comissão Europeia (CE) voltou a ser ignorada num ato público. Desta vez, o momento ocorreu numa cimeira em Bruxelas entre a União Europeia e a União Africana, e ainda houve um heroí nesta história. 

Será este o 'Sofagate2'? Veremos. A caminho do local para tirar fotografias, o ministro das Relações Externas de Uganda, Jeje Odongo, teria de se colocar entre Von der Leyen e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que, ao seu lado, tinha ainda o presidente francês, Emmanuel Macron

Jeje Odongo passou em frente de Von der Leyen e dirigiu-se a Charles Michel, que estava a olhar para a líder da CE. Continuando sem se aperceber, Odongo segue para cumprimentar Macron, que acabou por 'salvar' a situação. 

Após cumprimentar o presidente francês, Odongo colocou-se no seu lugar para posar para as fotografias, entre Von der Leyen e Charles Michel, e, depois de tentar chamar a atenção, Macron fez um aceno com a mão dirigido a Von der Leyen. Só após essa 'indicação' do presidente francês é que Odongo cumprimenta Von der Leyen

Através das imagens partilhadas nas redes sociais, é possível ver o confrangimento que a situação criou não apenas para Von der Leyen como também para Michel e Macron. A atitude do ministro está a gerar bastante controvérsia no Twitter. 

Oh no, it’s #sofagate all over again. Good thing that this time Emmanuel Macron was there to save the day 🙂 pic.twitter.com/kvqdIDLOcc

— Viktor Daněk (@ViktorDanek_) February 18, 2022 Por estranho que pareça, não é a primeira vez que a presidente da CE se vê numa situação destas. Na visita de Charles Michel e Ursula Von der Leyen a Ancara, na Turquia, houve uma grande polémica que ficou conhecida como 'Sofagate'. Nesse encontro, Von der Leyen não teve direito a receber uma cadeira para se sentar, ficando apenas com assento o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e Charles Michel. Esta situação levou a Comissão Europeia a protestar contra o episódio, tendo sido geradas acusações de sexismo a Erdogan, que foram sempre negadas

No vídeo capturado na altura, é possível ver Ursula von der Leyen e Charles Michel no palácio presidencial e a presidente da Comissão a expressar a sua surpresa com o lugar que lhe foi reservado, num sofá lateral. Já os líderes masculinos tiveram direito a sentar-se em cadeiras situadas na zona nobre do salão, enquadradas pelas bandeiras da Turquia e da UE