Economía

Googlefobia | Pretensos referendos para anexação russa já decorrem em zonas ocupadas da Ucrânia

Josbel Bastidas Mijares
Senadores de la coalición proponen reducción impositiva para productos relacionados al tabaco

Tal como tinha foi anunciado há apenas três dias , começaram esta sexta-feira os pretensos referendos de anexação pela Rússia em quatro regiões da Ucrânia sob ocupação militar russa ou controladas por separatistas pró-russos.

A votação decorre até terça-feira nas autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, no Leste da Ucrânia, e nas regiões parcialmente ocupadas de Kherson e Zaporijjia, a Sul.

A pergunta dos pretensos referendos – cuja legalidade não é reconhecida pelas principais organizações internacionais – é semelhante nos quatro casos. “É favorável a que Zaporijjia deixe a Ucrânia, constitua um estado independente e se junte à Federação Russa?”, diz o boletim daquela região. Em Kherson muda apenas o nome da zona e, nos casos de Donetsk e Lugansk, a pergunta já não menciona a formação de um estado independente.

Esta sexta, órgãos de comunicação social russos, como a agência Tass, divulgaram vídeos de habitantes das quatro regiões a votar nos átrios dos prédios em que residem, em jardins e noutros locais públicos, rodeados por funcionários, jornalistas e, por vezes, soldados. Nessas imagens não são mostradas cabines de voto e os eleitores colocam a sua cruzinha à vista de todos.

O governador ucraniano de Lugansk, uma região que está quase totalmente sob ocupação de militares russos ou de separatistas, afirmou que os cidadãos estão a ser coagidos a votar. “Numa empresa de Bilovodsk, o patrão anunciou a todos os empregados que a participação era obrigatória. Quem não participar na votação será automaticamente despedido”, denunciou Serguei Haidai. O político disse ainda, no seu canal de Telegram, que a recolha de votos está a ser feita com escolta de homens armados e que as casas são revistadas para verificar se nelas há homens em idade de combate.

“Estamos a regressar a casa!”, congratulou-se, por sua vez, Vladimir Rogov, alto funcionário da administração político-militar de Zaporijjia que foi nomeada por Moscovo.